Foto

Livro Uma Voz Feminina Calada pela Inquisição

Este livro apresenta personagens e fatos dos últimos séculos da Idade Média.

Cod. Produto: 10827
Autor(es):  Rute Salviano Almeida
Editora:   Hagnos
CALCULE O FRETE
Não sabe seu CEP? Então clique aqui.

De: R$ 32,90 Por: R$ 27,97 15% de desconto No boleto ou no Bankline: R$ 27,97

Parcelamento
  • 1x à vista R$ 27,97

Ficha técnica

Código de barras:
9788577420834
Dimensões:
13.50cm x 20.50cm
Marca:
Hagnos
ISBN:
9788577420834
Número de páginas:
218
Peso:
238 gramas
Encadernação:
Brochura

Sinopse

Em uma proposta de trazer à luz cristãos discriminados e pouco conhecidos, a autora, em seu aperto de mão com o passado, apresenta o contexto da época; o papel feminino; a vida das beguinas (mulheres caridosas que dedicaram suas vidas ao cuidado e amparo dos menos favorecidos); Margarita Porete, uma beguina escritora e divulgadora de suas ideias, e a Inquisição.

Consideradas transgressoras por errar nos artigos da fé e ensinar o evangelho na língua do povo e não no latim, a única língua considerada sacra e autorizada a expressar a Palavra de Deus à época, as beguinas foram suprimidas da Igreja. Margarida Porete foi considerada herética e foi queimada junto com seu livro “O Espelho das almas simples e aniquiladas”, no qual discorreu sobre a importância do cristão esvaziar-se de si mesmo para ser cheio do espírito de Deus.

A leitura irá proporcionar uma reflexão sobre a heresia, sobre o perigo de se tirar o mérito da salvação de Jesus Cristo e colocar em homens ou obras e o prejuízo causado aos cristãos de todas as épocas pela falta de amor e excesso de poder dos líderes religiosos.
Como em seu primeiro livro: Uma voz feminina na Reforma, a escritora destaca o silêncio das mulheres na História e o preço pago pela ousadia de falar, como destacado na epígrafe de Blanca Gari e Alicia Padrón Wolff: “Mulheres que falam, a transgressão que representa este ato não reside propriamente no falar.

As vozes que sonham no interior dos espaços privados, femininos, não são transgressoras em si mesmas.

A transgressão está em serem ouvidas. É o falar em público o que irrompe como perversão no cenário da Baixa Idade Média”.

Avaliação do produto

(Baseado em 0 Avaliações)

Avaliar este produto

0%